Secção de raízes vitais em molares superiores com envolvimento severo de furca: resultados de até 7 anos de acompanhamento

Secção de raízes vitais em molares superiores com envolvimento severo de furca: resultados de até 7 anos de acompanhamento

Compartilhar

Uma seleção dos artigos científicos mais relevantes publicados recentemente nos periódicos internacionais.

Jepsen K, Dommisch E, Jepsen S, Dommisch H. Vital root resection in severely furcation-involved maxillary molars: Outcomes after up to 7 years. J Clin Periodontol 2020;47(8):970-9.

Por que é interessante: o artigo introduz uma nova abordagem terapêutica para o tratamento de molares com envolvimento de furca, através da ressecção de raiz vital, e relata resultados de acompanhamento em longo prazo de uma série de casos.

Desenho experimental: 15 molares superiores com defeitos de furca e perda óssea vertical avançada foram tratados com pulpotomia com cimento de silicato de cálcio. Após quatro semanas, as raízes afetadas foram removidas por microcirurgia periodontal e processadas para análise histológica. Todos os pacientes realizaram terapia periodontal de suporte. Avaliações da sensibilidade dentária, resposta à percussão, mobilidade, profundidade de sondagem (PS) e sangramento a sondagem (SS) foram realizadas. Radiografias periapicais foram obtidas e os resultados relatados pelos pacientes foram coletados.

Os achados: todos os dentes permaneceram sensíveis ao teste de pulpar. Após um ano e 3-7 anos de acompanhamento, a PS foi ≤ 5 mm em todos os dentes ressecados. O status de furca foi melhorado. Não foram observados aumento da mobilidade e sinais clínicos ou radiográficos de patologia periapical. Todos os pacientes relataram estar satisfeitos com o resultado da terapia. Cortes histológicos revelaram um complexo dentina-polpa funcional.

Conclusão: há possibilidade de manutenção de molares com envolvimento severo de furca com ressecção de raiz vital por até sete anos. A terapia endodôntica e seus custos e complicações associados podem ser evitados.

Veja o artigo original aqui.