Benefícios do scanner intraoral em reabilitações cerâmicas sobre implantes de arco total
Imagem obtida pelo scanner intraoral.

Benefícios do scanner intraoral em reabilitações cerâmicas sobre implantes de arco total

Compartilhar

Ivete Sartori mostra como a utilização do scanner intraoral simplifica a realização de próteses implantossuportadas.

Quando realizamos reabilitações de arco total implantossuportadas em cerâmica, o uso da prótese provisória é altamente recomendado por vários motivos. O primeiro deles é a rapidez da confecção, uma vez que normalmente colocamos em carga imediata para recompor de maneira rápida o edentulismo. Além disso, a prótese provisória tem um importante papel na confirmação da estética, da dimensão vertical de oclusão a ser estabelecida e também pela possibilidade de se realizar ajustes e avaliar a adaptação do paciente à mesma. Além disso, a prótese provisória serve como referência para a confecção da definitiva. Se considerarmos a limitação que a cerâmica apresenta em relação ao número de queimas, fica fácil entender a necessidade de estabelecimento de todos os detalhes previamente, em uma prótese provisória que tenha ficado instalada em boca, em função, por um determinado período.

A Reabilitação Oral sempre entendeu a importância de todos esses fatores. Poder passar todas as características dessa provisória ao laboratório, para orientar em todas as etapas de confecção da prótese definitiva, faz com que o procedimento se torne mais rápido e seguro. Isso sempre foi recomendado, tanto para próteses dentossuportadas como implantossuportadas.

Nas próteses implantossuportadas, a maneira utilizada para realizar o procedimento de maneira analógica consiste em obter o modelo utilizando os transferentes dos intermediários e realizar a montagem do mesmo em articulador semiajustável utilizando a própria prótese provisória. Faz-se a tomada do arco facial em posição. No laboratório, a prótese é parafusada no modelo, posicionada no garfo e realiza-se a montagem do modelo superior. Depois, o articulador é invertido, a prótese provisória é relacionada ao modelo inferior, unida ao mesmo, e procede-se à montagem do modelo antagonista. Após a presa do gesso, são realizadas marcações na parte externa do modelo e realiza-se um molde da prótese relacionada ao modelo.

Esse molde funciona como um índex, permite que se verta cera para obter o formato vestibular e incisal da prótese provisória. No entanto, ainda há dificuldade de realizar a cópia do guia anterior, do trajeto do guia. Para isso, será necessário proceder a personalização do guia anterior utilizando resina na mesa incisal do mesmo. Sendo assim, apesar de eficiente, a técnica demanda muito tempo clínico e laboratorial, e exige que o paciente permaneça no consultório enquanto sua prótese provisória é utilizada.

Com o advento do scanner intraoral, esse procedimento tornou-se mais simplificado. Podemos realizar o escaneamento da prótese provisória em boca (Figura 1). Depois, podemos escanear o formato dos tecidos moles (Figura 2) e, em seguida, instalar os transferentes de escaneamento e escanear a arcada (Figura 3). Enviamos ao laboratório fotos de rosto inteiro da paciente com a prótese provisória instalada, para que o arco facial virtual possa ser posicionado. Dessa maneira, o CAD da prótese definitiva é executado exatamente como era a prótese provisória (Figuras 4 e 5).

Com o advento das cerâmicas monolíticas, toda a superfície oclusal e palatina pode ser fresada no material. É realizada apenas uma redução da parte vestibular para aplicação da cerâmica feldspática, a porcelana (Figura 6). Dessa forma, existe uma perfeita transferência das superfícies oclusais e palatinas, transferindo o formato do guia anterior que estava ajustado (Figuras 7 e 8).

Não há como negar o benefício que as ferramentas digitais, como o scanner intraoral, têm trazido às reabilitações. Viva a tecnologia digital!