A importância da terapia de suporte

A importância da terapia de suporte

Compartilhar

Marco Bianchini apresenta caso clínico em que o paciente realiza a terapia de suporte há quase 8 anos, mantendo os seus dentes em bom estado periodontal.

O tratamento periodontal pode ser dividido basicamente em duas áreas: controle da doença ativa e reparo do dano causado pela doença. Porém, apenas estes procedimentos são insuficientes para o sucesso do tratamento periodontal em longo prazo. Desta forma, torna-se necessário estabelecer um programa de atendimento pós-tratamento, conhecido como terapia de suporte. Esta etapa visa a manutenção dos procedimentos executados no tratamento da doença periodontal propriamente dita.

Após a conclusão da terapia periodontal ativa, os pacientes com periodontite tratados com sucesso podem ser classificados em duas categorias de diagnóstico: pacientes periodontais com periodonto reduzido e saudável ou pacientes periodontais com inflamação gengival1. Esses indivíduos permanecem em alto risco de recorrência ou progressão da periodontite e requerem cuidados periodontais de suporte. Estes cuidados consistem em uma combinação de intervenções preventivas e terapêuticas realizadas em intervalos diferentes, que devem incluir:

• Avaliação e monitoramento da saúde sistêmica e periodontal;
• Reforço das instruções de higiene oral;
• Motivação do paciente para o controle contínuo dos fatores de risco;
• Remoção mecânica profissional da placa;
• Instrumentação subgengival localizada em bolsas residuais.

Leia também: A rizectomia como alternativa para o tratamento de lesões endo-periodontais

As manutenções periodontais também incluem a avaliação de comportamentos individuais, uma vez que os pacientes que se submetem à terapia de suporte devem cumprir rigorosamente os métodos de higiene oral e estilos de vida saudáveis recomendados pelo profissional, a fim de se evitar a recorrência da doença periodontal que está sendo monitorada1,5.

Sabe-se que muitos fatores e indicadores de risco (biológicos, comportamentais e sociais) podem exercer influência sobre o diagnóstico e tratamento do paciente periodontal. Desta forma, a regularidade das consultas de manutenção torna-se um fator crítico para o sucesso no controle da doença. Negligenciar esta etapa tem sido associado com maiores riscos de recorrência e progressão das doenças periodontais3-11.

A literatura demonstra que as visitas de cuidados periodontais de suporte devem ser agendadas em intervalos de três a, no máximo, 12 meses. Estas consultas devem ser adaptadas de acordo com o perfil de risco do paciente e as condições periodontais após a terapia ativa1-3,12-16.

Leia também: Tratamento de pericoronarite

Assim, o sucesso do tratamento de suporte depende do esforço conjunto do paciente e do profissional. Deve-se avaliar o padrão de higiene oral do paciente e as condições clínicas presentes para se estabelecer uma frequência de consultas adequadas a cada caso8. Sem essa regularidade de consultas, os benefícios da terapia periodontal de suporte não se mantêm no longo prazo e todo o tratamento que foi realizado na fase ativa da doença, no início do tratamento, pode ser perdido1-11.

As Figuras 1 a 3 ilustram um caso em que o paciente realiza a terapia de suporte há quase 8 anos, mantendo os seus dentes em um bom estado periodontal.

Referências
1. Sanz M, Herrera D, Kebschull M, Chapple I, Jepsen S, Beglundh T et al. EFP Workshop Participants and Methodological Consultants. Treatment of stage I-III periodontitis – The EFP S3 level clinical practice guideline. J Clin Periodontol 2020;47(suppl.22):4-60.
2. Ramseier CA, Nydegger M, Walter C, Fischer G, Sculean A, Lang NP et al. Time between recall visits and residual probing depths predict long-term stability in patients enrolled in supportive periodontal therapy. J Clin Periodontol 2019;46(2):218-30.
3. Trombelli L, Farina R, Pollard A, Claydon N, Franceschetti G, Khan I et al. Efficacy of alternative or additional methods to professional mechanical plaque removal during supportive periodontal therapy. A systematic review and meta-analysis. J Clin Periodontol 2020;47(suppl.22):144-54.
4. American Academy of Periodontology. Periodontal maintenance. J Periodontol 2003;74:1395-401.
5. Merin RL. Tratamento periodontal de apoio. In: Carranza FA, Newman MG, Takei HH, Klokkevold PR. Periodontia clínica (10ª ed.). Rio de Janeiro: Elsevier 2007. p.1194-214.
6. Costa FO, Cota LOM, Lages EJP, Lorentz TCM, Oliveira AMSD, Oliveira PAD et al. Progression of periodontitis in a sample of regular and irregular compliers under maintenance therapy: a 3-year follow-up study. J Periodontol 2011;82(9):1279-87.
7. Costa FO, Lages EJ, Cota LOM, Lorentz TCM, Soares RV, Cortelli JR. Tooth loss in individuals under periodontal maintenance therapy: 5-year prospective study. J Periodontal Res 2014;49(1):121-8.
8. Lorentz TCM, Cota LOM, Cortelli JR, Vargas AMD, Costa FO. Prospective study of complier individuals under periodontal maintenance therapy: analysis of clinical periodontal parameters, risk predictors and the progression of periodontitis. J Clin Periodontol 2009;36(1):58-67.
9. Renvert S, Persson GR. Supportive periodontal therapy. Periodontol 2000 2004;36:179-95.
10. Echeverria JJ, Manau GC, Guerrero A. Supportive care after active periodontal treatment: a review. J Clin Periodontol 1996;23(10):898-905.
11. Novaes Jr. AB, Novaes AB. Compliance with supportive periodontal therapy. Part II: risk of non-compliance in a 10 year period. Braz Dent J 2001;12(1):47-50.
12. Cardaropoli D, Gaveglio L. Supportive periodontal therapy and dental implants: an analysis of patients’ compliance. Clin Oral Implants Res 2012;23(12):1385-8.
13. Lee CT, Huang HY, Sun TC, Karimbux N. Impact of patient compliance on tooth loss during supportive periodontal therapy: a systematic review and meta-analysis. J Dent Res 2015;94(6):777-86.
14. Ramseier CA, Kobrehel S, Staub P, Sculean A, Lang NP, Salvi GE. Compliance of cigarette smokers with scheduled visits for supportive periodontal therapy. J Clin Periodontol 2014;41(5):473-80.
15. Sanz M, Baumer A, Buduneli N, Dommisch H, Farina R, Kononen E et al. Effect of professional mechanical plaque re- moval on secondary prevention of periodontitis and the complications of gingival and periodontal preventive measures: consensus report of group 4 of the 11th European Workshop on Periodontology on effective prevention of periodontal and peri-implant diseases. J Clin Periodontol 2015;42(suppl.16):214-20.
16. Polak D, Wilensky A, Antonoglou GN, Shapira L, Goldstein M, Martin C. The efficacy of pocket elimination/reduction compared to access flap surgery: a systematic review and meta-analysis. J Clin Periodontol 2020;47(suppl.22):303-19.