Avaliação em longo prazo da progressão da doença periodontal após cirurgia ou tratamento não cirúrgico

Avaliação em longo prazo da progressão da doença periodontal após cirurgia ou tratamento não cirúrgico

Compartilhar

Uma seleção dos artigos científicos mais relevantes publicados recentemente nos periódicos internacionais.

Sanz-Martín I, Cha JK, Yoon SW, Sanz-Sánchez I, Jung UW. Long-term assessment of periodontal disease progression after surgical or non-surgical treatment: a systematic review. J Periodontal Implant Sci 2019;49(2):60-75.

Por que é interessante? Os autores avaliaram as evidências sobre a progressão da doença periodontal em pacientes que receberam terapia periodontal de suporte (TPS) e identificaram preditores de perda do nível de inserção clínica (NIC).

Desenho experimental: um protocolo foi desenvolvido para responder a seguinte questão: em pacientes adultos tratados para periodontite, qual a progressão da doença em termos de perda de NIC após tratamento cirúrgico ou não cirúrgico? Foram selecionados ensaios clínicos randomizados controlados, de coorte prospectivos, longitudinais e observacionais em humanos com um mínimo de cinco anos de acompanhamento, após cirurgia ou tratamento não cirúrgico, que relatavam NIC e mudanças de profundidade de sondagem.

Os achados: foram incluídas 17 publicações relatando dados de 14 investigações, contendo dados de 964 pacientes com acompanhamento de cinco a 15 anos. Dez estudos relataram uma perda média de NIC de ≤ 0,5 mm; três estudos relataram 0,5-1 mm; e quatro estudos relataram > 1 mm. Com base em sete publicações, a porcentagem de sítios que apresentaram uma perda de NIC de ≥ 2 mm variou de 3% a 20%, e uma alta porcentagem de sítios com perda de NIC foi associada à má higiene oral, tabagismo e não aderência à TPS.

Conclusão: após a terapia periodontal, os resultados permaneceram estáveis ao longo do tempo. A progressão da doença ocorreu em um número reduzido de sítios e pacientes, e manifestou-se principalmente associada à má higiene oral, não adesão à TPS e tabagismo.

Veja o artigo original aqui.