Exodontia e instalação imediata do implante

Exodontia e instalação imediata do implante

Compartilhar

Exodontia e instalação imediata do implante: Sérgio Luís Scombatti debate a preservação do rebordo alveolar com o uso de biomateriais (parte 3).

Quando houver a correta indicação clínica, um excelente procedimento para a preservação do rebordo alveolar é a instalação imediata de um implante no alvéolo pós-extração. Para tal, alguns requisitos importantes são necessários:

a) Fenótipo periodontal favorável, com adequadas faixa e espessura de mucosa ceratinizada;

b) Posicionamento tridimensional correto do implante, deixando o gap (espaço vazio entre o implante e a parede óssea vestibular) a ser preenchido com biomaterial;

c) Presença de um bom remanescente ósseo, com paredes alveolares íntegras ou pouco absorvidas, bem como osso suficiente apicalmente ao alvéolo para proporcionar o correto travamento e boa estabilidade inicial do implante;

d) Preenchimento do gap com substituto ósseo de absorção lenta;

e) Antibioticoterapia profilática pré e pós-operatória (um exemplo bastante relatado na literatura é o protocolo de 11 dias de amoxicilina 875 mg e ácido clavulânico 125 mg de 12/12 horas, iniciando 24 horas antes da cirurgia);

f) Ausência de sinais clínicos de lesão inflamatória/infecciosa aguda, como supuração;

g) Utilização de implante com macro e microestruturas otimizadas (macroestrutura com algum grau de conicidade, para aumentar o torque final de inserção e a estabilidade primária, e microestrutura com superfície que acelere o reparo ósseo ao redor do implante);

h) Vedação adequada do alvéolo, com o uso de enxertos gengivais autógenos, substitutos mucosos xenógenos, cicatrizadores ou mesmo abutments definitivos e provisórios, quando a situação clínica permitir.

A instalação imediata do implante pós-exodontia deve seguir um protocolo rígido de condutas. Uma vez realizada uma criteriosa análise radiográfica e tomográfica, é feito o diagnóstico da necessidade de exodontia do elemento dentário comprometido e estabelecido um plano de tratamento visando à preservação da estrutura alveolar presente, possibilitando a correção de eventuais defeitos ósseos no momento da instalação do implante.

A exodontia deve ser realizada de forma atraumática, utilizando instrumentos delicados, como periótomos, microcinzéis ou extratores dentais para raízes, para que haja o menor trauma cirúrgico para a estrutura óssea alveolar. Também deverão ser utilizadas incisões intrassulculares com ausência de incisões relaxantes, em uma técnica cirúrgica sem retalho (flapless), para que o suplemento vascular fornecido pelo periósteo não seja interrompido, minimizando o risco de retrações gengivais pós-operatórias e a reabsorção da tábua óssea vestibular.

A extração do dente elimina o suprimento sanguíneo alveolar que vem do ligamento periodontal e a única vascularização das tábuas ósseas alveolares passa a ser fornecida pelo periósteo remanescente. Assim, levantar um retalho nesta situação pode comprometer seriamente o fornecimento sanguíneo do periósteo, levando à reabsorção do osso alveolar¹.

Em outro estudo², foi observada uma perda óssea duas vezes maior no grupo em que implantes imediatos foram instalados com elevação de retalho total, quando comparados à instalação sem elevação de retalho. Além disso, é importante ressaltar que a técnica flapless não afeta estruturas importantes para a estética vermelha, como o posicionamento da faixa de mucosa ceratinizada, as papilas e as cristas ósseas interproximais.

Assim, a instalação de um implante imediatamente após a extração do dente possui inúmeras vantagens, dentre as quais destacam-se a diminuição do tempo de tratamento para o paciente (pois em um só tempo cirúrgico serão realizados a exodontia, a instalação do implante e eventuais procedimentos regenerativos necessários), melhor preservação das estruturas anatômicas ao redor do alvéolo (papila, mucosa, cristas ósseas interproximais), bem como maior manutenção do osso alveolar vestibular. As Figuras 1 a 8 ilustram um caso clínico de implante imediato à exodontia com cirurgia flapless. O caso clínico foi realizado por Sérgio Henrique Lago Martins, doutorando em Periodontia pela Forp/USP.

Referências
1. Novaes Jr. AB, Macedo GO, Suaid FA, Barros RRM, Souza SLS, Silveira e Souza AMM. Histologic evaluation of the buccal and lingual bone plates in anterior dog teeth: possible influence on implant dentistry. J Periodontol 2011;82(6):872-7.

2. Novaes Jr. AB, Suaid F, Queiroz AC, Muglia VA, Souza SLS, Palioto DB et al. Buccal bone plate remodeling after immediate implant placement with and without synthetic bone grafting and flapless surgery: radiographic study in dogs. J Oral Implantol 2012;38(6):687-98.