A intenção versus a realidade nas reabilitações totais implantossuportadas

A intenção versus a realidade nas reabilitações totais implantossuportadas

Compartilhar

Diogo Viegas e convidadas reforçam que não restam dúvidas quanto à importância do digital no futuro da reabilitação oral.

A utilização de novas tecnologias no desenvolvimento de equipamentos para diagnóstico e tratamento de doenças revolucionou o segmento de saúde, além de proporcionar uma melhora significativa na qualidade de vida dos pacientes. No campo da Odontologia, especificamente na área de reabilitação oral, todas as soluções são postas à prova. Testam-se metodologias tão opostas como imprimir ou fresar soluções.

Trata-se de uma tentativa de replicar, através da tecnologia, processos executados há muitos anos de uma forma mais previsível, com maior qualidade e teoricamente por um preço mais baixo1. Concretamente, no campo da reabilitação total implantossuportada, a exatidão constitui uma enorme vantagem2, mas esse tipo de reabilitação depende necessariamente de uma fase provisória, sendo que a maior dificuldade é conseguir um equilíbrio entre inúmeras variáveis. Trata-se de uma prótese total, com toda a complexidade inerente ao tratamento, com dificuldade adicional de ser executada após um ato cirúrgico. O desejável é que o paciente tenha essa mesma prótese colocada em menos de 24 horas.

Para responder a estas dificuldades, o método mais utilizado atualmente é a execução de um estudo e uma prótese pré-cirúrgica, tendo em conta não só o resultado estético do tratamento, mas também toda a intervenção cirúrgica que vai ser executada.

Com as tecnologias existentes atualmente, já é possível elaborar a totalidade da prótese provisória pré-cirúrgica em um sistema totalmente digital, com menos tempo de clínica, de laboratório e com melhores propriedades dos materiais3. De uma forma convencional, todo o estudo digital é igualmente passível de ser executado e as propriedades dos materiais, sendo respeitadas, estarão, no final, dentro dos limites químicos e físicos indicados pelos fabricantes.

De um modo geral, as diferenças entre o digital e as técnicas tradicionais são influenciadas pelo profissional por trás do procedimento, mais precisamente pelo técnico de prótese dentária responsável. No entanto, a criação de uma prótese com aparência natural tem sido bastante difícil através dos métodos digitais, muito embora seja suficiente para grande parte das exigências dos profissionais e pacientes envolvidos4.

A grande barreira dos sistemas digitais ao nível das próteses provisórias é a necessidade de ter acrílico com características aproximadas a tecidos gengivais e, ao mesmo tempo, dentários5. Esteticamente, esse tipo de prótese ainda fica aquém dos padrões exigidos pela grande parte dos profissionais de Odontologia. No entanto, em breve, a evolução tecnológica fará frente às melhores metodologias convencionais6.

Não restam dúvidas quanto à importância do digital no futuro da reabilitação oral, que será adotado como ferramenta de trabalho trivial.

Uma vez que as diferenças de planejamento e de execução destes provisórios estejam superadas, enfrentamos o grande desafio da transição para prótese sobre implantes. Todo o estudo e planejamento realizado até aqui dependem da nova situação oral que será o resultado da cirurgia de instalação dos implantes. Assim, precisamos de uma técnica em que um eventuais problemas no posicionamento dos pilares não comprometam todo o planejamento executado pré-cirurgia7.

Referências

1. Patel N. Integrating three-dimensional digital technologies for comprehensive implant dentistry. J Am Dent Assoc 2010;141:20S-4S.
2. Mangano F, Hauschild U, Veronesi G, Imburgia M, Mangano C, Admakin O. Trueness and precision of 5 intraoral scanners in the impressions of single and multiple implants: a comparative in vitro study. BMC Oral Health 2019, 19, 101.
3. Siadat H, Alikhasi M, Beyabanaki E. Interim prosthesis options for dental implants. J Prosthodont 2017;26:331-8.
4. Papaspyridakos P, Chen CJ, Gallucci GO, Doukoudakis a, Weber HP, Chronopoulos V. Accuracy of implant impressions for partially and completely edentulous patients: a systematic review. Int J Oral Maxillofac Implants 2014;29:836-45.
5. Cordaro L, Torsello F. Soft tissues conditioning by immediate restoration of immediately placed implants in full-arch rehabilitation: the double provisional technique. Eur J Esthet Dent 2006;1:216-29.
6. Joda T, Zarone F, Ferrari M. The complete digital workflow in fixed prosthodontics: a systematic review. BMC Oral Health 2017;17(1):124.
7. Gallucci GO, Bernard JP, Bertossa M, Belser UC. Immediate loading with fixed screw retained provisional restorations in edentulous jaws: The pickup technique. Int J Oral Maxillofac Implants 2004;19:524-33.