A influência da idade e da expressão facial (olho aberto/fechado) na exposição dentogengival maxilar

A influência da idade e da expressão facial (olho aberto/fechado) na exposição dentogengival maxilar

Compartilhar

Uma seleção dos artigos científicos mais relevantes publicados recentemente nos periódicos internacionais.

Bidra AS, Persenaire M, Kuo CL. The influence of age and facial expression (eye open/closed) on maxillary dental and gingival display. J Prosthodont 2021;Feb 8.

Por que é interessante? O estudo avaliou as diferenças na exposição dentogengival maxilar, entre diferentes faixas etárias, de expressões faciais em ambos os sexos.

Desenho experimental: foi fotografado o terço inferior do rosto de 120 indivíduos de seis grupos de idade diferentes. Foram obtidas duas imagens padronizadas de cada paciente, uma de sorriso máximo com os olhos abertos e outra de sorriso máximo com os olhos fechados. Essas 240 imagens foram usadas para quantificar a razão de exposição dentogengival usando técnicas de medição padronizadas.

Os achados: em todas as imagens avaliadas, houve exposição dentogengival significativamente maior quando os pacientes sorriram com os olhos fechados. Houve tendência de diminuição da exposição dental com o aumento das faixas etárias, sugerindo que os indivíduos mais velhos apresentam menor exposição dentogengival. Não houve diferença estatisticamente significativa entre homens e mulheres. A incidência de exposição da papila interdental também diferiu significativamente entre as imagens com olhos abertos e olhos fechados, em todas as faixas etárias. Porém, a incidência de exposição da papila interdental diminuiu com a idade nas imagens com os olhos abertos.

Conclusão: a exposição dentogengival maxilar diminui com o aumento da idade e é significativamente maior ao registrar o sorriso máximo com os olhos fechados, para todas as faixas etárias e ambos os sexos. Por se tratar de uma expressão facial simples e clinicamente reproduzível, a incorporação de imagens de sorriso máximo do paciente com os olhos fechados pode ser aplicada na rotina clínica para a coleta de dados completos e precisos, para um correto planejamento do tratamento protético.

Veja o artigo original aqui