Esterilização por autoclave de peças de mão odontológicas: uma revisão da literatura

Esterilização por autoclave de peças de mão odontológicas: uma revisão da literatura

Compartilhar

Uma seleção dos artigos científicos mais relevantes publicados recentemente nos periódicos internacionais.

Sasaki JI, Imazato S. Autoclave sterilization of dental handpieces: a literature review. J Prosthodont Res 2020;64(3):239-42.

Por que é interessante: peças de mão são difíceis de esterilizar e facilmente contaminadas em procedimentos odontológicos. Esta revisão investigou a esterilização em autoclave de peças de mão com base em estudos disponíveis.

Desenho experimental: estudos in vitro observaram a remoção de ar nos aparelhos de autoclave (desaeração a vácuo, especificação do fabricante e deslocamento passivo com vapor), embalagem, limpeza e lubrificação dos equipamentos.

Os achados: os autores utilizaram 40 referências na confecção do artigo de revisão e relacionaram diversos parâmetros clínicos de manipulação do material e esterilização das peças de mão. Peças de mão não embrulhadas devem ser usadas em 24 horas. Além disso, a esterilização em autoclave deve ser repetida para instrumentos desembrulhados no final do dia útil ou no início do próximo dia útil, independentemente dos instrumentos terem sido usados.

Conclusão: peças de mão podem ser esterilizadas, incluindo a inativação de esporos bacterianos resistentes ao calor, independentemente do uso de pacotes de esterilização, com exceção do uso de autoclaves do tipo deslocamento passivo com vapor. Apesar desse modelo de autoclave ser capaz de esterilizar bactérias em geral, a completa esterilização nem sempre é alcançada, portanto, o processamento sem qualquer embalagem é recomendado. Mais estudos ainda são necessários.

Veja o artigo original aqui.

João Paulo Mendes Tribst
Mestre e doutorando em Odontologia Restauradora, especialidade Prótese Dentária – Unesp/São José dos Campos.