Pilar transmucoso variável de conexão versátil para alcançar estabilidade de tecidos peri-implantares duros e moles em área estética

Pilar transmucoso variável de conexão versátil para alcançar estabilidade de tecidos peri-implantares duros e moles em área estética

Compartilhar

Artigo apresenta um pilar  transmucoso variável de conexão versátil, que foi aplicado em diferentes técnicas de Implantodontia.

AUTOR

Miguel Troiano
Professor de Prótese e Reabilitação Integral Assistida por Implantes – Universidade de Buenos Aires; Pesquisador visitante na Clínica de Prótese e Oclusão – Faculdade de Odontologia do
Insituto Universitário Italiano de Rosário.
Orcid: 0000-0002-8422-6570.


RESUMO

A redução óssea peri-implantar foi reconhecida por Brånemark como uma consequência do funcionamento normal da terapia implante/prótese. Existem diferentes causas relacionadas à restauração protética. Primeiro, a necessidade de conformação do espaço biológico em comprimento e largura até atingir a sua estabilização. Segundo, a desconexão do pilar, que origina perda óssea devido à quebra da adesão dos hemidesmossomos na interface, gerando alterações mecânicas na junção implante/pilar. Portanto, tende-se a usar o pilar de conexão única, o qual deve combinar a versatilidade de ser aplicado em diferentes técnicas, terapias de implante de uma ou duas fases cirúrgicas ou de carga imediata. Como último elemento importante, deve ser considerada a existência de duas áreas inflamatórias críticas, a junção implante/pilar (JIP) e o tecido conjuntivo inflamatório (TCI), apesar de estar sendo trabalhado em uma mudança no design dos pilares para reduzir a penetração bacteriana presente na JIP por mudanças macrogeométricas, mudanças na plataforma e mudanças microgeométricas com laser nos implantes e pilares (Laser-Lok, BioHorizons). O objetivo deste artigo foi apresentar um pilar versátil que foi aplicado em diferentes técnicas de Implantodontia. As duas áreas supracitadas estão distantes entre si com o único objetivo de manter os tecidos peri-implantares estáveis no setor anterior ou posterior.

Palavras-chave – Conexão pilar-implante; Tecido conjuntivo inflamatório; MIS Connect; Cirurgia guiada.


Recebido em jan/2020
Aprovado em jan/2020