Persistência do SARS-CoV-2 nas diferentes superfícies do consultório odontológico

Persistência do SARS-CoV-2 nas diferentes superfícies do consultório odontológico

Compartilhar

Trabalho compara persistência do SARS-CoV-2 em diferentes superfícies inanimadas com possibilidade de contaminação.


AUTORES

Ivi Costa Rocha dos Santos
Mestranda em Ciência dos Materiais – Instituto Militar de Engenharia.
Orcid: 0000-0002-6159-8718.

Larissa Ramos Xavier Coutinho Nascimento
Doutoranda em Ciência dos Materiais – Instituto Militar de Engenharia.
Orcid: 0000-0001-6533-5598.

Dyanni Manhães Barbosa
Mestranda em Ciência dos Materiais – Instituto Militar de Engenharia.
Orcid: 0000-0001-9885-0588.

Carlos Nelson Elias
Doutor em Ciência dos Materiais – Instituto Militar de Engenharia.
Orcid: 0000-0002-7560-6926.


RESUMO

Objetivo: comparar o tempo que o vírus SARS-CoV-2 permanece ativo em diferentes superfícies inanimadas com possibilidade de contaminação e abordar as possíveis medidas de biossegurança para minimizar a disseminação. Material e métodos: busca eletrônica realizada nas bases de dados dos periódicos Capes, PubMed, Lilacs e MEDLINE usando as palavras-chave “surface”, “COVID-19”, “dentistry”, “SARS-CoV-2”, “survival”, “viability” e “persistence”. Resultados: dos 40 artigos inicialmente recuperados, 19 foram selecionados para leitura completa, com cinco artigos atendendo à análise qualitativa. O tempo que o SARS-CoV-2 permanece ativo nas superfícies varia com o tipo de material. O vírus pode permanecer ativo em metais, plásticos, madeira e aço por um período de duas horas até nove dias, com influência do tipo de material, umidade, temperatura e cepas específicas do vírus. Enxaguatórios bucais (à base de peróxido de hidrogênio 1% durante 30 segundos ou contendo iodopovidona) antes do tratamento odontológico reduzem a carga viral. A clorexidina mostrou-se ineficaz como colutório contra o SARS-CoV-2. Conclusão: os profissionais de Odontologia estão mais vulneráveis à infecção pelo novo coronavírus. Recomenda-se o uso de EPIs específicos para a atividade, limpeza e descontaminação das superfícies imediatamente após cada procedimento, mesmo em pacientes assintomáticos.

Palavras-chave – Odontologia; Coronavírus; Covid-19; SARS-CoV-2; Superfícies.

Recebido em jul/2020
Aprovado em jul/2020

Este post tem um comentário

Comentários encerrados.