Como funcionam as alavancas em próteses dentárias: uma revisão de conceitos biomecânicos

Como funcionam as alavancas em próteses dentárias: uma revisão de conceitos biomecânicos

Compartilhar

Trabalho realiza revisão bibliográfica crítica sobre alavancas em próteses dentárias, abordando conceitos biomecânicos e aplicações funcionais.

AUTORES

Vinícius Alves do Nascimento
Graduando em Odontologia – PUCRS.
Orcid: 0000-0002-7472-7515.

Kael Seelig da Cunha
Mestre e especialista em Prótese Dentária – PUCRS.
Orcid: 0000-0003-4881-0320.

Rosemary Sadami Arai Shinkai
Professora de Prótese Dentária – PUCRS.
Orcid: 0000-0002-4107-5661.


RESUMO

Objetivo: realizar uma revisão bibliográfica crítica sobre alavancas em próteses dentárias, abordando seus conceitos biomecânicos e aplicações funcionais. Material e métodos: a busca foi realizada em bases indexadoras de periódicos nacionais e internacionais, a partir do ano de 1966 até 2019, em idioma português e inglês, utilizando as palavras-chave: alavanca, biomecânica, prótese dentária, implante dentário e pino. Foram incluídos artigos sobre biomecânica em próteses parciais e totais, sobre dentes e implantes, bem como livros sobre biomecânica. Foram excluídos estudos de biomecânica em cirurgia e ortodontia. Resultados: as alavancas podem ocorrer no plano horizontal ou vertical, sendo sempre compostas por um fulcro, um braço de potência e um braço de resistência, onde o braço de potência deve ser anulado ou menor que o braço de resistência. Ainda, as alavancas são Classe 1, Classe 2 ou Classe 3. Os estudos clínicos longitudinais mostram que o cantiléver em dente natural gera uma taxa de sobrevivência de 80% a 92%. Já os cantiléveres em implantes chegam perto dos 90%, e na situação dos núcleos metálicos a sobrevivência é de 85%. O papel biomecânico real das alavancas no planejamento e no sucesso da reabilitação bucal com diferentes tipos de próteses ainda não tem evidências conclusivas, apesar de inúmeras pesquisas laboratoriais, computacionais e clínicas na literatura odontológica. Conclusão: estudos clínicos ainda são necessários para avaliar a real magnitude do efeito do braço de alavanca nos diferentes tipos de prótese, bem como nos tecidos de suporte.

Palavras-chave – Biomecânica; Prótese dentária; Implantodontia.


Recebido em set/2019
Aprovado em nov/2019