Avaliação da sobrevivência de implantes Unitite instalados em rebordos maxilares reconstruídos com osso bovino e autógeno: estudo retrospectivo com um ano de acompanhamento

Avaliação da sobrevivência de implantes Unitite instalados em rebordos maxilares reconstruídos com osso bovino e autógeno: estudo retrospectivo com um ano de acompanhamento

Compartilhar

Estudo avalia taxa de sobrevivência de implantes em rebordos reconstruídos com osso bovino particulado e blocos de osso autógeno.

Autores

Sérgio Maia
Mestre em Implantodontia – Universidade Santo Amaro.
Orcid: 0000-0002-3740-3562.

Roberto Sales e Pessoa
Professor adjunto, Depto. de Periodontia e Implantodontia – Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.
Orcid: 0000-0003-1062-4362.

Guilherme José Pimentel Lopes de Oliveira
Professor adjunto, Depto. de Periodontia e Implantodontia – Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Uberlândia.
Orcid: 0000-0001-8778-0115.

Bruna Ghiraldini
Doutora em Implantodontia – Universidade Paulista.
Orcid: 0000-0002-3693-3035.

Fábio José Barbosa Bezerra
Doutor em Biotecnologia – Unesp.
Orcid: 0000-0003-0330-2701.

Resumo

Objetivo: avaliar retrospectivamente a taxa de sobrevivência de implantes com câmara de cicatrização e superfície nanoativada com hidroxiapatita, instalados em rebordos previamente reconstruídos com a associação de osso bovino particulado e blocos de osso autógeno. Material e métodos: foram avaliados os prontuários de 31 pacientes submetidos à instalação de 82 implantes em rebordos cicatrizados e reconstruídos previamente com a associação de osso bovino particulado e blocos de osso autógeno. Foi analisada a taxa de sobrevivência dos implantes e a mesma foi relacionada com fatores como tamanho, diâmetro e momento do carregamento dos implantes (imediato ou tardio), e tipo de prótese (unitária, parcial ou protocolo). Resultados: os implantes foram acompanhados em média 22,84 ± 4,12 meses após a instalação das próteses, sendo que o período mínimo e período máximo de acompanhamento foram de 15 e 31 meses, respectivamente. Um implante foi perdido durante o período de acompanhamento, gerando uma taxa geral de sobrevivência de 98,78%. Não houve influência do tamanho e diâmetro dos implantes, do momento do carregamento dos implantes e do tipo de prótese no risco relativo de perda de implantes (p > 0.05). Conclusão: implantes osseointegráveis com câmara de cicatrização e superfície nanoativada, instalados em rebordos dentários reconstruídos com bloco de osso autógeno associado osso bovino desproteinizado, apresentaram alta taxa de sobrevivência após um ano de acompanhamento.

Palavras-chaveOsseointegração; Regeneração óssea; Taxa de sobrevivência; Osso autógeno; Osso bovino.

Abstract

Objective: to evaluate retrospectively the survival rate of the implants with healing chambers and nano-activated surface installed on previously reconstructed alveolar ridges with the association of particulate bovine bone graft associated with autogenous bone blocks. Material and methods: the records of 31 patients who underwent the installation of implants in alveolar ridges previously grafted with particulate bovine bone graft with autogenous were assessed. The survival rate of the implants was analyzed, and it was related to factors such as size and diameter of the implants, moment of implant loading (immediate or late) and type of prosthesis (single-tooth, partial or total). Results: the implants were followed up on average 22.84 ± 4.12 months after the installation of the prostheses, and the minimum and maximum follow-up period was 15 and 31 months. An implant was lost during the follow-up period, which gives a global survival rate of 98.78%. There was no influence on the size and diameter of the implant, the time of loading of the implants, and the type of prosthesis on the relative risk of implant loss (p > 0.05). Conclusion: it can be concluded that dental implants with a healing chamber and nano-activated surface treatment installed in reconstructed alveolar ridges with an autogenous bone block associated with particulated deproteinized bovine bone showed high survival rates after one year of follow-up.

Key words – Osseointegration; Bone regeneration; Survival rate; Autogenous bone; Bovine bone.

Recebido em ago/2020
Aprovado em set/2020